Tipos Psicológicos e tomada de riscos: tolerar a incerteza e navegar pela mudança6 min de leitura

Arriscar pode ser fácil para uns e muito difícil para outros. Enquanto algumas pessoas tentam evitar o risco o máximo possível, outras abraçam e arriscam com frequência.

Negócio arriscado

Figura 1 Correr ou não o risco?

Inevitavelmente, ter um estilo demasiadamente focado em um dos extremos pode trazer consequências perigosas. Então, o que faz algumas pessoas terem aversão ao risco, enquanto outras parecem prosperar com ele? Shawn Bakker, psicólogo da Psychometrics, afirma que o risco está relacionado à tolerância à incerteza, a qual, sabemos, pode ser influenciada por nossas preferências de personalidade. Tenha as seguintes dicas em mente, especialmente se uma mudança estiver iminente ou houver ambiguidade no local de trabalho:

NPs – essa combinação é a mais propensa a arriscar. Essas pessoas geralmente embarcam em novas possibilidades e são muito inclinadas a seguir direções completamente diferentes, especialmente ao ouvir – ou quando têm – novas ideias. Elas também se adaptam a circunstâncias inconstantes, visto que isso dá a elas algo novo a ser explorado.

SPs – Esses indivíduos assumem riscos imediatos e gostam quando a situação exige isso. No entanto, a segurança de longo prazo e uma base estável, como manter uma casa ou trabalhar com pessoas conhecidas, são importantes.

NJs – Os Intuitivos-Julgadores costumam ter uma visão mista. Eles se dispõem a assumir um risco de longo prazo se este estiver em sua visão de futuro e se for uma prioridade. No entanto, se essa visão não estiver clara, eles não agirão. A ação só terá sido tomada após uma preparação e uma análise cuidadosa.

SJs – Esses indivíduos geralmente são os menos propensos (de todas as tipologias) a assumirem riscos. Tendo em vista que eles gostam de viver suas vidas de forma ordeira e decidida, a ambiguidade inerente aos riscos os deixa desconfortáveis. Os SJs, querendo se apegar ao que funciona, só irão assumir riscos depois de longos períodos de reflexão e preparação, e suas chances de sucesso são quase garantidas.

Entender a relação entre risco e tipologia pode ajudar a avaliar a mudança, além de ajudar os outros a navegarem na incerteza.

Para si mesmo, considere se você está sendo muito pessimista diante das mudanças exigidas para assumir um risco. Ou está sendo otimista demais, esquecendo-se dos perigos da realidade! Seja qual for sua disposição para o risco, você precisará ser flexível a fim de considerar informações importantes e resultados possíveis, antes de tomar uma decisão consciente. Arriscar demais tem suas desvantagens, mas nunca arriscar pode significar oportunidades perdidas.

Do risco à mudança: ajudando os outros na transição

Do ponto de vista organizacional, muito pode ser feito – mesmo diante da incerteza – para ajudar as pessoas a seguirem em frente. Como a incerteza está muitas vezes associada à mudança, ter um “checklist” para o que as pessoas precisam para seguir em frente é muito útil! Especialmente se e quando – o risco causar incerteza ou ansiedade. Em tempos de grandes mudanças e ambíguas, considere o seguinte:

Figura 1.1 A importância da colaboração em um momento de mudança.

A Extroversão exige:

  • Tempo para falar sobre o que está acontecendo
  • Envolvimento – eles querem algo para fazer
  • Comunicar-se, comunicar-se, comunicar-se
  • Ser ouvido – e ter voz
  • Ação, manter o ritmo.

A Introversão exige:

  • Tempo sozinho para refletir sobre o que está acontecendo
  • Ser perguntado sobre o que ele pensa
  • Comunicação pensada, por escrito e discussões em particular
  • Tempo para pensar com calma antes de conversar e se reunir
  • Tempo para assimilar a mudança antes de agir

A Sensação exige:

  • Dados reais – por que essa mudança está acontecendo?
  • Especificidade sobre o que é a mudança, exatamente
  • Conexões entre as mudanças e o passado
  • Imagens reais do futuro que torna os planos reais
  • Diretrizes claras sobre expectativas, papéis e responsabilidades sobre a implementação

A Intuição exige:

  • O raciocínio geral – as realidades globais
  • Um plano geral ou direção para desenvolver
  • Chances de criar uma imagem do futuro, para criar uma visão
  • Opções – uma direção geral, mas sem muita estrutura
  • Oportunidades para participar da criação do futuro

O Pensamento exige:

  • Clareza na tomada de decisão
  • Demonstração de que a liderança é competente
  • Justiça e equidade nas mudanças
  • A lógica – Por quê? O que isso irá fazer/que problema será sanado?
  • Quais são as metas? Quais serão as mudanças sistêmicas?

O Sentimento exige:

  • Reconhecimento dos impactos nas pessoas
  • Demonstração de uma liderança cuidadosa
  • Apreciação e apoio
  • Inclusão de si e dos outros no planejamento e na implantação da mudança
  • Uma consideração sobre como lidar com as necessidades para seguir em frente

O Julgamento exige:

  • Um plano de ação claro e conciso
  • Metas claras, resultados definidos
  • Uma afirmação clara sobre as prioridades
  • Uma linha do tempo, com cada etapa destacada
  • O mínimo possível de surpresas

A Percepção exige:

  • Um plano aberto
  • Parâmetros gerais
  • Flexibilidade, com muitas opiniões
  • Informação e oportunidade para se obter mais
  • Uma atitude de confiança no processo

O desafio do líder, do tomador de decisão ou do agente da mudança é garantir que toda e qualquer iniciativa tenha características o bastante para que – independente se eles estão conscientes ou não das preferências dos seguidores – as pessoas recebam o que precisam para navegar neste período de transição de forma bem-sucedida, prosperando em um novo contexto.

Eles também devem ser sensíveis, pois algumas pessoas não se sentem tão à vontade com a ambiguidade quanto os outros. Sem atenção especial e consideração cuidadosa desses fatores, corremos o risco de resistência, rotatividade, perda de engajamento e baixa produtividade. Alternativamente, se os indivíduos receberem os recursos, o tempo e as informações de que precisam, juntamente com uma discussão que seja favorável ao processamento do que é proposto, o sucesso será abundante.

A Fellipelli é distribuidora exclusiva do instrumento MBTI® no Brasil, que, além de oferecer o assessment para a identificação do seu tipo psicológico com devolutivas estruturadas, promove, sob o comando de ADRIANA FELLIPELLI, a Certificação Integrada em Tipos Psicológicos MBTI Step I e II.

Venha participar com a gente na próxima turma! Saiba mais aqui: https://fellipelli.com.br/produto/certificacao-integrada-mbti-step-i-e-ii-online/

Tema: MBTI®

Subtema: O entendimento da relação entre Tipos Psicológicos e risco pode ajudar no processo de mudança.

Objetivo: Autoconhecimento, Autodesenvolvimento, Desenvolvimento Organizacional, Coaching, Coaching nas Empresas, Team Building.

Este conteúdo é de propriedade da Fellipelli Consultoria Organizacional. Sua reprodução; a criação e reprodução de obras derivadas – a transformação e a adequação da obra original a um novo contexto de uso; a distribuição de cópias ou gravações da obra, na íntegra ou derivada -, sendo sempre obrigatória a menção ao seu autor/criador original.

Reader Interactions

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.