Setembro amarelo: soluções para aumentar a saúde mental no trabalho14 min de leitura

Suas escolhas e estilo de vida, por meio de um processo de autoconhecimento, determinarão sua saúde física, mental e emocional.

Profunda Simplicidade talvez possa ser a obra-prima de Will Schutz, criador do Firo-B™. Ele foi, sem dúvidas, um dos estudiosos mais versáteis e abertos aos saberes milenares. Vivenciou experiências em diversas culturas, crenças e valores, até compor sua própria linha de raciocínio. De militares a monges, todos os tipos de grupo o interessavam. Talvez pela busca incessante pela unidade, o arquetípico, o imemorial.

A maior descoberta de Schutz, afinal, era a mais simples:

Ao agir de forma verdadeira e ao tomar consciência das próprias escolhas, é possível viver em plenitude.

Princípios da teoria de Schutz

  • Holismo

Visão: as pessoas são um organismo integral e unificado, corpo e mente, cura e doença, vida e morte. As partes constituem, todavia, sinais para o retorno à unidade.

Personalidade e tecido: existe uma relação fundamental entre o tecido do corpo e o tipo de personalidade da pessoa. “Os níveis de personalidade são equivalentes aos níveis de tecido do corpo. As defesas psicológicas expressam-se no padrão das tensões do corpo.”

Sabedoria popular sobre o corpo: é preciso prestar atenção aos sinais que são transmitidos pelo povo, no que diz respeito ao corpo. Ter os pés no chão, cabeça dura, segurar as pontas são alguns dos exemplos. Eles apontam para o nível de consciência emocional de alguém.

Pecado dos pais: inúmeros problemas, sintomas e doenças psíquicas que as crianças apresentam são reflexos de questões mal resolvidas dos pais e ancestrais.

  • Ilimitação

Para Schutz, todo ser é ilimitado. As crenças, as religiões, a família e os lugares em que nascemos podem auxiliar ou não a quebra da limitação.

Figura 1 Conhecimento e consciência trazem discernimento para as melhores escolhas.
Figura 1 Conhecimento e consciência trazem discernimento para as melhores escolhas.

Pessoas que percebem o tamanho de seus poderes são capazes de feitos indizíveis.

  • Escolha

Todas as situações da nossa vida são escolhas. Neste ponto, Schutz é radical: até mesmo os acidentes e demais eventos desagradáveis e traumáticos são escolhidos por nós, consciente ou inconscientemente.

  • Avaliação

Quando se supera a dicotomia de bem e mal, certo e errado, passado e futuro, os julgamentos tornam-se escolhas também. O vivido não está atrelado à retaliação. Avaliar o que ocorre apenas protela a descoberta dos sentimentos que estão por trás dos fenômenos.

  • Pais

Como as pessoas escolhem tudo na vida, não há espaço para vitimizações. Não se pode responsabilizar o outro pela sua infelicidade ou felicidade. Tudo pode ser ressignificado.

  • Opções

As opções que se apresentam na vida de um indivíduo não são igualmente poderosas. Por este motivo, é preciso adquirir conhecimento, domínio, consciência corporal e controle para saber discernir.

  • Sociedade

A estrutura social é decorrente das pessoas que a compõem. Dessa forma, os indivíduos podem se conectar em grupos que fornecerão as bases mais sólidas para a existência.

  • Compaixão

Quando se assume o papel de protagonista, a escolha está sempre em acessar uma nova consciência e incrementar as habilidades.

Dessa forma, não é alguém que pede compaixão dos demais. As dores são escolhas também e apenas quem vive é capaz de curar a si mesmo. O que pode ser facilitado, contudo, são as condições para ampliar os recursos de autoconhecimento.

  • Ajuda

O profissional que atua em benefício da saúde de outra pessoa deve fortalecer sua relação consigo próprio, assumindo um caráter temporário. O maior objetivo é, no fim das contas, não ser mais necessário.

  • Empatia

Embora saibamos do poder de protagonismo (consciente ou inconsciente), as pessoas não se permitem saber o que estão escolhendo, às vezes. O apoio é necessário para o crescimento de todos e, também, da comunidade onde se vive. A integridade de um aumenta a de todos.

  • Autocompaixão

É imprescindível aceitar que há momentos em que a inconsciência toma conta de nós. Aceitar, sem culpa e rancor, essas aprendizagens, melhora a qualidade da consciência e evita as repetições.

  • Morte

As pessoas também escolhem suas próprias mortes e enfermidades. Ficar doente sempre traz ganhos secundários. É um alívio nas responsabilidades, há a doação do outro, a atenção, o cuidado, o parar por um tempo. Ter clareza sobre essas escolhas diminui o seu poder de manipulação sobre os outros.

  • Culpabilidade

Schutz também é radical nessa afirmação. Para ele, as pessoas em geral consentem os atos que praticam entre elas, de forma consciente ou inconsciente. As leis foram feitas para proteger as pessoas de si mesmas, pessoas sem consciência de seus comportamentos.

  • Espontaneidade

Mesmo aqueles sentimentos que parecem ser espontâneos são escolhidos. Aprender a reconsiderar suas decisões é a forma mais eficaz de mudá-la.

  • Simplicidade

Reconhecer os caminhos implica, em última instância, que o Universo é simples.”

Will Schutz

Para Schutz, a humanidade veio do todo, de uma única célula. Foi se multiplicando e se interrelacionando, de forma desmensurada. Contudo, é possível desvendar os mistérios que traçam a complexidade hoje e ir, novamente, em direção à simplicidade.

O entendimento, para ele, possui três etapas: a simplista, a complexa e a profundamente simples.

Unidade das leis

Schutz, como profundo conhecedor de diversas comunidades ao redor do globo, refletiu então que seria desarmônico que o coletivo estivesse separado do individual. Os princípios simples do Universo regem ambos os comportamentos.

Se uma coisa é verdadeira, não deveria ser simples o suficiente para ser compreendida por todos?”

Para ele essa unidade rege tudo: a simplicidade dos alimentos, o poder curativo do corpo, a evolução dos relacionamentos, de um nível inclusivo para um nível afetuoso.

Jejum

Schutz ficou 34 dias sem comer, apenas bebendo água, em um centro de saúde nos Estados Unidos. Lá, descobriu que o corpo pode curar a si mesmo, eliminando as toxinas que o estão adoecendo.

Ensino

Todos aqueles que estão em uma posição de superioridade com outra pessoa são professores e, portanto, devem facilitar o caminho para a expansão da consciência.

Ying e Yang da escolha

O princípio de escolher reitera que a pessoa é a própria comandante da vida. A escolha nunca é fragmentada, é por inteiro. “Quando você e eu admitirmos nossa responsabilidade pessoal, e à medida que nos abrimos para os caminhos, fluiremos juntos. Nossos caminhos são harmoniosos e criamos então uma comunidade e sociedade alegres”.

VERDADE

”E saberás a verdade e a verdade tornar-te-á livre.”

– João 8:32

É com essa referência que Schutz abre o capítulo da verdade, conceito central de toda a sua filosofia. Para ele, a verdade é arquetípica, na busca do divino.

A mentira, no polo oposto, também é um peso: “Quando minto, vinculo minha energia de uma maneira improdutiva e basicamente desagradável. Endureço meu corpo, contamino minhas relações com as pessoas, fico deprimido e ansioso. Estreito os limites de minhas experiências e, por fim, transformo minha vida em uma coisa sem sabor.”.

Verdade é, pois, aquilo que ressoa com o genuíno em mim. A awareness se constitui, então, na busca pela própria verdade. Quando decido tomar conhecimento de quem eu sou, sou honesto.

Honestidade

A comunicação da verdade promove o enriquecimento pessoal. Quando eu tenho clareza sobre a experiência e estou aberto a ajudar o outro, não é preciso mentir.

Hipocrisia e privacidade

Omitir dados e guardar as informações para si mesmo são formas muito sofisticadas de mentira. As pessoas aprendem, desde muito cedo, a mentir sem serem percebidas pelas outras.

”Quanto mais me sinto bem comigo mesmo, e quanto mais aceito todas as formas de ser, menos importante se torna a privacidade”.

É preferível que as pessoas saibam, assim pode-se estabelecer um diálogo verdadeiramente humano entre os indivíduos.

Vivacidade

O bloqueio, vindo das mentiras, atrapalham muito o autoconhecimento. Ser conveniente é uma das piores formas de ajudar uma pessoa. A verdade torna-se excitante e traz entusiasmo ao viver.

Consciência

Comprometer-se a olhar para dentro de si mesmo, sem medo do que é possível encontrar. Ter a visão de que a autoconsciência é o único caminho para a verdade.

Saúde e enfermidade

A tomada da consciência traz o controle sobre o próprio corpo. Ao rejeitar partes do corpo, a pessoa entra em guerra consigo mesma. O que está doente ou machucado tem profunda relação a falta de percepção consciente. Tudo é psicossomática. “A enfermidade faz parte do estilo de vida.”

Fechamento

Ciclos de energia

O comportamento humano é uma série de ciclos de energias. O ciclo sempre se inicia com algum incômodo, ou desequilíbrio. Esse movimento serve para levar a pessoa à cura, à consciência do que está sendo vivido. Todos os recursos são, então, mobilizados para atingir o equilíbrio.

Ao completar um ciclo, há uma aprendizagem, uma memória da expansão de consciência e maturação. A grande maioria das dificuldades surge, pois, quando os ciclos não são completados, por questões interpessoais, intrapsíquicas e físicas.

Motivação

A motivação, para Schutz, começa com a experiência do desequilíbrio, interno ou externo. Quando a experiência está agradável, o indivíduo a mantém. As razões pelas quais há bloqueios são as seguintes: negação (autoengano) e distrações (traições dissolvidas), incapacidade de ver a fonte do desequilíbrio.

Bloqueio da motivação – Psicológico: não estou ciente – Sistema nervoso: não terei sensações – Corpo: esquecido”.

Preparação

Ao dar permissão para a continuação do ciclo de energia, a pessoa pode se preparar para desencadear as ações que a levarão ao reequilíbrio.

Bloqueio na preparação – Psicológico: estou indeciso Sistema nervoso: não pensarei – Corpo: sem tônus”.

Ação

A consciência e a preparação impulsionam a pessoa a agir. É preciso descarregar a energia que foi mobilizada.

Bloqueio da ação – Psicológico: estou empacado – Sistema nervoso: não me moverei – Corpo: bloqueado”.

Sentimento

Quando houve a motivação, a preparação, a ação, o ciclo pode se fechar e há um sentimento de plenitude. Quando o ato é bem sucedido, a experiência tende a continuar, em um outro nível de consciência.

Bloqueio na sensação – Psicológico: não sou sensível – Sistema nervoso: não vou sentir – Corpo: encouraçado”.

Os problemas corpo-mentais

Para Schutz, é possível dividir os problemas emocionais em duas categorias básicas: as negações (experiências inconclusas) e as distorções (mentiras). Os dois são fruto de ciclos bloqueados e/ou incompletos. A experiência que foi suprimida não irá desaparecer. Ela deve ser tratada, talvez por outras vias que não foram tentadas antes.

Fechamento de ciclos

É fundamental que os ciclos sejam completados e o fluxo de energia seja vivido em plenitude.

Para Schutz: “se todos os ciclos energéticos inconscientes forem trazidos à consciência e completados, então todas as escolhas serão realizadas com consciência, dentro da esfera da vontade.”.

Dimensões básicas e o Firo-B™

As longas pesquisas de Schutz, no plano individual, coletivo, filosófico e arquetípico, revelaram a ele que o ser humano é constituído por três esferas básicas. Os desequilíbrios dessas dimensões ocorrem de duas fontes: a interação desde bebê, até ficar adulto e das exigências que são necessárias à interação grupal.

A primeira das noções é o desenvolvimento individual. O contato e a inclusão familiar estão presentes nos primeiros momentos de vida. A inclusão se vincula à socialização.

Em segundo lugar, a relação humana se pauta em distribuição de poder e autoridade. A esta dimensão Schutz deu o nome de controle. É a tensão entre a autonomia da criança e a obediência aos pais.

A dimensão definitiva é o afeto. A criança, aos poucos, vai compreendendo as manifestações dos sentimentos, experienciando também as dores. A complexidade do amor se instala em seu imaginário.

O instrumento Firo-B™ irá mensurar justamente essas três dimensões, em dois paralelos: o quanto é demonstrado por uma pessoa e o quanto é desejado por ela.

Figura 1.2 O desequilíbrio pode levar a enfermidades de fundo emocional.
Figura 1.2 O desequilíbrio pode levar a enfermidades de fundo emocional.

Os desequilíbrios entre os dois mundos, externo e interno, geralmente apontam para as quebras de ciclo, que fazem a pessoa adoecer emocionalmente.

Principais enfermidades

  • Enfermidades de inclusão:

No plano corporal, as doenças vinculadas à inclusão estão relacionadas com os limites entre o físico e o mundo. Portanto, a pele é um dos principais órgãos em que se manifesta. Outras partes periféricas também se mostram afetadas: olhos, nariz, boca, ouvidos.

Os sistemas mais afetados são o respiratório e o sistema digestivo-excretor.

Conflitos internos inconscientes relativos à inclusão se manifestam por meio de espinhas, herpes, dermatites, vista distorcida, surdez, asma, bronquite, intestino irritadiço. A anorexia e a obesidade também se colocam como um afastamento do eu ao mundo.

O câncer é, essencialmente, uma doença de inclusão, embora sua localização seja importante para compreender a interrupção de fluxo do ciclo.

  • Enfermidades de controle:

Os sistemas mais atacados, quando há um bloqueio atrelado ao controle, são o nervoso e o endócrino. A artrite, por exemplo, está profundamente associada ao controle da raiva. Lesões na coluna e problemas nas juntas também acometem pessoas que estão em desequilíbrio com esta dimensão.

Dores de cabeça, enxaqueca, esclerose amiotrópica lateral e Parkinson também estão entre as doenças clássicas. Todas incorporadas à perda do controle.

  • Enfermidades do afeto

O afeto se manifesta através do amor, ou seja, as partes mais afetadas, no desequilíbrio, são o coração e os órgãos genitais.

O sistema circulatório atinge a pessoa que está bloqueando um ciclo afetivo.

Schutz exemplifica o oposto, ao contar um caso da cidade de Roseto, na Pensilvânia: os habitantes tinham um indíce baixíssimo de óbitos, apesar de a população ser predominantemente obesa. Lá havia um sentimento de coesão e comunidade, em que as pessoas apoiavam umas às outras.

O sentimento de pertencimento fazia com que as pessoas jamais se sentissem abandonadas ou desamparadas. Em comunidades afetuosas, portanto, as doenças são minimizadas.

Tendo em vista que setembro é o mês de prevenção ao suicídio, conhecer o Firo-B™, a teoria de Schutz e suas implicações para grupos, nas mais diversas formas, torna-se indispensável para a construção de ambientes saudáveis e passíveis de mudança.

Profissionais e empresas saudáveis conseguem reagir rapidamente a mudanças inesperadas e crises nos diferentes cenários. Eles não somente sobrevivem, mas também triunfam em situações desfavoráveis, alcançando um sucesso duradouro e sustentável.

Para promover a saúde mental e emocional, a FELLIPELLI atua nas diversas áreas relacionadas ao desenvolvimento humano, tais como desenvolvimento pessoal e de equipesrelacionamentos interpessoaisneuroplasticidade, inteligência emocional e muitas outras.

Consulte-nos!

Referência bibliográfica

Schutz, Will – Profunda Simplicidade

Tema: Firo-B™

Subtema: Suas escolhas e estilo de vida são fruto de um processo de autoconhecimento e busca por qualidade de vida saudável e sustentável, pessoal e profissional.

Objetivo: Autoconhecimento, Autodesenvolvimento, Desenvolvimento Organizacional, Team Building, Desenvolvimento de Equipes, Desenvolvimento de Liderança, Coaching, Coaching nas Empresas.

Este conteúdo é de propriedade da Fellipelli Consultoria Organizacional. Sua reprodução; a criação e reprodução de obras derivadas – a transformação e a adequação da obra original a um novo contexto de uso; a distribuição de cópias ou gravações da obra, na íntegra ou derivada -, sendo sempre obrigatória a menção ao seu autor/criador original.

Reader Interactions

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.