Perguntando o esperado: conhecendo seus futuros funcionários sem pré-julgamentos5 min de leitura

Ao entrevistar possíveis novos candidatos, sua maior prioridade deve ser descobrir tudo o que for possível em relação às suas habilidades de desempenho no trabalho. No entanto, um processo simples como este pode ser muito mais delicado do que muitos pensam. Fazer uma pergunta equivocada pode ser muito arriscado, além de muito dispendioso para empresas de qualquer tipo. É por isso que é absolutamente necessário garantir que suas perguntas sejam justas, não ofensivas e que não causem repercussões negativas.

Mesmo que a preparação para uma entrevista seja muito importante, há algumas coisas que são mais importantes ainda. Citaremos aqui apenas alguns – porém importantes – tópicos que devem ser abordados com cuidado (ou não abordados) a fim de evitar contratempos desastrosos.

Afinal, estamos falando de inclusão

Etnia

Pode haver uma variedade de razões para perguntar sobre a origem racial ou étnica de um entrevistado, incluindo questões de visto de trabalho, experiência relevante fora do país e até simplesmente porque os humanos gostam de se conectar com outros e descobrir o que os torna quem são. Mas quando se trata de sondar sobre a etnia de uma pessoa, um pequeno passo em falso pode resultar em um processo mais rápido do que você pode dizer “Eu estava apenas perguntando!”

Ao abordar esse assunto, certifique-se de fazer apenas perguntas que sejam significativas para a posição e não ultrapasse os limites. Acredite ou não, perguntar: “Qual é o seu tipo de visto atual?” não é a mesma coisa que “Vocês costumam ser bons com isso?”.

Idade

O preconceito sobre idade é uma coisa muito real na força de trabalho de hoje e, infelizmente, não é novidade para as empresas deixar isso conhecido, embora geralmente não de propósito. Mesmo que, ocasionalmente, a data de nascimento possa ser relevante para determinadas posições (como funções que demandam o consumo de álcool ou uma grande experiência), perguntar sobre a idade de alguém por pura curiosidade geralmente não é um bom curso de ação. Se você descobrir que um entrevistado é mais jovem ou mais velho do que o esperado, e se isso alterar sua decisão de contratação, você poderá ficar sem saber qual seria o fim desta história por um bom tempo.

Resumindo, a idade não deve ser um fator em seu processo de contratação. Evite comentários como “Não estamos buscando brancos e idosos”. Sim, isso já aconteceu e (como se esperava) a empresa responsável pagou caro por isso…

Saúde e deficiência

Novamente – questões sobre deficiência e saúde devem ser abordadas muito cuidadosamente, se necessário. Por exemplo, se um entrevistado for portador de uma deficiência física e você deixarclaro que isso é uma restrição… bem, então você já terá ido longe demais.

Tudo o que realmente importa é se a pessoa pode ou não desempenhar a função, fazer o trabalho, assim como qualquer outra pessoa, e se a experiência anterior constata suas habilidades.

Se você decidir abertamente não admitir alguém com base em uma deficiência física ou mental, e o entrevistado puder provar que isso não afetaria seu desempenho no trabalho em um tribunal, então não se surpreenda se esse for o argumento para ele pedir uma indenização.

Gênero

Curiosamente, esse ainda é um assunto delicado até mesmo no local de trabalho de hoje. Embora haja posições que sejam predominantemente comandadas por mulheres, enquanto há outras mais comandadas por homens, não contratar alguém por conta do gênero, ainda mais sem uma justificativa, é a forma mais fácil de parar no lado negativo de um processo judicial.

Obviamente, perguntar qual gênero de uma pessoa não deve nem passar pela sua cabeça. Qualquer insinuação de que o gênero possa afetar o desempenho no trabalho é um ingrediente simples para uma tragédia. Quando consideramos que até algumas das empresas mais bem-sucedidas no mundo ainda têm problemas relacionados à equidade de gênero, é prudente dizer que esse assunto não deve ser abordado sem o devido cuidado – e apropriadamente. Felizmente, as mulheres estão em ascensão no local de trabalho e, por isso, essa questão parece estar saindo do foco, assim como deveria ser.

Conclusão

Não existe lugar para a discriminação de uma pessoa por algo que ela não tem controle, seja por deficiência, questão de saúde, de gênero, de idade ou de qualquer outra coisa.

Manter o julgamento em relação a algo tão superficial apenas aumenta a chance de se perder um bom profissional, que não deve ser rotulado por nada, a não ser pela sua capacidade de excelência na função.

Fonte: https://www.prevuehr.com/resources/insights/asking-acceptable-getting-know-future-employees/

Traduzido e revisado por Fellipelli Consultoria Organizacional.

Tema: Prevue™

Subtema: Critérios de abordagem importantes em uma entrevista de contratação.

Objetivo: Liderança, Autoconhecimento, Autodesenvolvimento, Melhores Práticas, Desenvolvimento Organizacional.

Este conteúdo é de propriedade da Fellipelli Consultoria Organizacional. Sua reprodução; a criação e reprodução de obras derivadas – a transformação e a adequação da obra original a um novo contexto de uso; a distribuição de cópias ou gravações da obra, na íntegra ou derivada -, sendo sempre obrigatória a menção ao seu autor/criador original.

Veja também

Pitch: 5 frases que podem matar suas vendas

Clique aqui

Produtos relacionados