A liderança adaptativa e a ferramenta IPT®11 min de leitura

A contribuição efetiva do uso da ferramenta IPT® para a seleção de colaboradores e líderes adaptativos.

A liderança concentra-se em três aspectos: ASPIRAÇÃO (propósito), APRENDIZADO (enfrentar a realidade) e MUDANÇA (mentalidade, comportamentos).” – Dean Williams, professor de Harvard

Para todos os profissionais que atuam com desenvolvimento de pessoas, o estudo acerca da liderança é inesgotável e contínuo. Ao longo das últimas décadas, milhares de estudiosos dedicam-se a compreender como funciona o exercício da liderança, quais são as melhores práticas e os pilares que sustentam as características de um líder inspirador.

Neste artigo, apresentaremos alguns conceitos vinculados à liderança adaptativa e os benefícios da ferramenta IPT® Liderança para o processo seletivo de líderes que estejam em harmonia com as práticas atuais do mercado de trabalho.

Figura 1 Escolha do líder em harmonia com as práticas atuais de mercado.
Figura 1 Escolha do líder em harmonia com as práticas atuais de mercado.

Um breve resumo

Heifetz, Linsky e Grashow, autores do livro: “As práticas de adaptação Liderança: Ferramentas e Táticas” (tradução livre), dizem que, para mudar sua organização e o mundo, é necessário, em primeiro lugar, pedir aos leitores que ajam com coragem e participem de uma reflexão contínua, pois eles são agentes de mudança. Os autores explicam liderança como: “A prática de mobilizar pessoas para enfrentar desafios difíceis e prosperar. ” (p. 14).

A principal mensagem da prática de liderança adaptativa é a ideia de que, se um sistema estiver quebrado, ele deve ser diagnosticado e corrigido assumindo riscos e desafiando o status quo para provocar as mudanças.

As seis dimensões básicas dessa teoria são:

  1. A liderança adaptativa diz respeito às mudanças que permitem a capacidade de prosperar.
  2. Intervenções adaptativas à mudança baseiam-se no passado em vez de abandoná-lo.
  3. A mudança organizacional acontece através da experimentação.
  4. A liderança adaptativa depende da diversidade e valoriza as visões de profundos conhecedores dos sistemas
  5. Novas adaptações têm o potencial de deslocar, regular e reorganizar significativamente a estrutura antiga.
  6. Mudança adaptativa leva tempo.

A teoria por trás da prática

Um dos quadros mais importantes da liderança adaptativa é a ideia de que não se trata de um trabalho ou se baseia em autoridade, mas é uma prática que pode ser feita por qualquer pessoa.

Liderança não se baseia em autoridade, é “radicalmente diferente de fazer um trabalho muito, muito bem” (p. 23).

A liderança adaptativa concentra-se na necessidade de mudança nas organizações e incentiva ações que interrompem o status quo para incitar um impulso adiante.

A liderança adaptativa está enraizada na teoria da liderança, mas também possui vínculos significativos com a teoria científica.

O foco em adaptação vem da biologia e da evolução. Opiniões tiradas do estudo da evolução moldam grande parte da abordagem do livro. Os autores explicam que uma adaptação bem-sucedida requer que se baseie no passado e observe o que é dispensável ou “estranho”, conforme as alterações são feitas e reconheçam a “herança” de uma organização. Além disso, a adaptação depende da experimentação e diversidade para ter sucesso.

Adaptação bem-sucedida também reconhece a necessidade de perda e que tais mudanças exigem tempo. A terminologia biológica em suas analogias é bastante usada. Eles instruem os leitores a “Diagnosticar” os desafios antes de agir e comparar organizações aos ecossistemas.

Liderança adaptativa não se trata de encontrar ou exceder as expectativas dos seus autorizadores; isto é sobre desafiar algumas dessas expectativas, encontrar uma maneira de decepcionar as pessoas sem empurrá-las completamente.” (p. 26)

Quais são as pré-condições de um líder adaptativo?

  1. Livrar-se da ilusão de que o sistema está quebrado.
  2. Distinguir problemas técnicos de desafios adaptativos.
  3. Diferenciar liderança de autoridade.
  4. Aprender a viver na zona produtiva do desequilíbrio.
  5. Observar, interpretar, intervir.
  6. Envolver-se, de corpo e alma.
  7. Conectar-se ao propósito.

As quatro dicas dos autores para facilitar o processo da liderança adaptativa:

  1. Não faça isso sozinho, envolva os outros e distribua responsabilidades.
  2. O melhor laboratório de liderança para aprender liderança adaptativa é a própria vida.
  3. Resista ao salto de ação e permaneça reflexivo.
  4. Faça escolhas difíceis e divirta-se.

Diagnóstico do sistema

A prática da liderança envolve dois processos centrais: primeiro o diagnóstico e depois a ação. E esses dois processos se desdobram em duas dimensões: direção ao sistema organizacional ou social em que você está operando e direção a si mesmo. Ou seja, deve-se diagnosticar o que está acontecendo em sua organização e tomar medidas para solucionar os problemas identificados.

Figura 1.1 Os processos de autoconsciência e autoconhecimento contribuem muito para a prática da liderança.
Figura 1.1 Os processos de autoconsciência e autoconhecimento contribuem muito para a prática da liderança.

A eficácia dessa liderança está em fazer uma análise minuciosa acerca de si mesmo e, depois, agir para superar os desafios mais latentes.

O processo das ações, por sua vez, consiste na reflexão profunda de atitudes e comportamentos, um mergulho no autoconhecimento e alinhamento das intervenções que serão feitas, com base na complexa dinâmica organizacional.

O diagnóstico e ação na liderança iniciam-se com a identificação dos problemas e a coleta de dados que ajudem a explicá-los, passa por um estágio interpretativo e por consultas à ação.

Em linhas gerais:

  • Verificar como sua organização está respondendo aos desafios adaptativos.
  • Considerar três grandes componentes: estrutura, cultura, padrões.
  • Descobrir as normas estruturais e suas implicações e encontrar o que apóia e o que impede a liderança adaptativa.
  • Reconhecer as interpretações e o comportamento padrão da sua organização para entender sua adaptabilidade.

O diagnóstico dos desafios consiste em:

  • Separar os elementos técnicos de um problema desde a sua adaptação; procurar dois sinais característicos: um ciclo de falha e uma dependência persistente da autoridade.
  • Olhar além do que as pessoas estão dizendo sobre desafios adaptativos.
  • Distinguir o desafio dos quatro arquétipos que são:
  1. Gap entre valores e comportamentos adotados
  2. Compromissos concorrentes
  3. Acesso ao que não está dito
  4. Identificação dos empecilhos às mudanças.

De acordo com HEIFETZ, GRASHOW e LINSKY, “o trabalho adaptativo exige três tarefas humanas muito difíceis: descobrir o que conservar a partir de práticas passadas, descobrir o que descartar das práticas passadas, e investir em novas formas de construir práticas com base nas boas soluções identificadas no passado” (tradução livre) (Heifetz, 2009).

Figura 1.2 A contribuição do IPT® Liderança.
Figura 1.2 A contribuição do IPT® Liderança.

Como o IPT® Liderança pode ajudar?

A história dessa ferramenta está pautada em inúmeras pesquisas qualitativas sobre as principais características de líderes ao redor do mundo. Foram realizados diversos estudos, que interrelacionam as características da personalidade com o desempenho eficaz no trabalho. Estes estudos chegaram a identificar uma variedade de características de personalidade que impactam o trabalho.

Foi, também, feita uma análise e revisão das taxonomias utilizadas em desenvolvimento e seleção de pessoas no mundo do trabalho. Para examinar estas taxonomias foram analisadas as medidas de personalidade que permite a sua operacionalização. Estas medidas de personalidade incluíram: o California Psychological Inventory, de Harrison Gough, o Hogan Personality Inventory, de R. Hogan and J. Hogan, o NEO PI-R, de Paul Costa e Robert McCrae.

Dados fundamentais da ferramenta IPT® Liderança:

  • Descreve as principais características que influenciam a forma de abordar tarefas, de interagir com pessoas e sobre o desempenho no trabalho.
  • Auxilia o crescimento profissional. Contêm informações úteis para aumentar a eficácia da liderança do individuo e destaca as competências geralmente associadas aos traços de personalidade.
  • O instrumento mostra a preferência de liderança e as competências associadas a ela, além de dicas de como utilizar uma habilidade não natural ao traço de personalidade do indivíduo.
  • O instrumento relaciona o seu estilo pessoal com as competências de liderança e mostra maneiras de aumentar a sua eficácia pessoal.
  • O instrumento mensura 5 características globais de personalidade e 17 traços primários que mostram uma visão abrangente da personalidade do individuo.

Características da personalidade

  1. Energia e impulso: ambição, iniciativa, energia, liderança e flexibilidade
  2. Estilo de trabalho: persistência, atenção aos detalhes, obediência às regras e confiabilidade
  3. Trabalho com pessoas: trabalho em equipe, preocupação com os outros, sociável e democrático
  4. Estilo de resolução de problemas: inovação e pensamento analítico
  5. Lidar com pressão e estresse: autocontrole e tolerância ao estresse

Uma das grandes vantagens do IPT® liderança é que o instrumento não requer qualificação e o relatório gerado é autoexplicativo.

No contexto da liderança adaptativa, é possível enxergar quais são os principais desafios do candidato, caso seja escolhido, bem como seus pontos fortes.

Os maiores desafios adaptativos são baseados na complexidade de valores, aqueles que provocam grandes emoções. Um líder não é composto somente por suas habilidades técnicas, mas pela sua capacidade de resiliência, frente às tempestades organizacionais, que são cada dia mais abrangentes. As instituições, via de regra, evitam abordar os aspectos carregados de valor e tentam resolver o problema com uma correção técnica.

Ora, liderar de forma adaptativa pressupõe a capacidade de ensinar, de abandonar práticas pouco efetivas e de identificar quais valores são imprescindíveis à organização.

Também requer uma atenção às ideias que surjam, mesmo que possam parecer impossíveis de viabilização, num primeiro momento.

De acordo com Fabiana Dias, especialista em planejamento e estratégias de desenvolvimento:

Na concepção da liderança adaptativa, o líder precisa ser um multiplicador e, para tanto, é dele exigida a capacidade de identificar as qualidades melhor desenvolvidas nas pessoas e as atividades que são desempenhadas naturalmente, enxergar a aptidão de cada um (todos têm talentos distintos), se comunicar com diferentes tipos morais, reconhecer talentos naturais, ser um imã de talentos. A lógica da multiplicação não é ter uma grande quantidade de funcionários, mas conseguir extrair mais daqueles que formam a equipe. Multiplicadores consultam a equipe, remam no mesmo barco, apoiam, avalizam e propiciam um ambiente de criatividade, definem a oportunidade e deixam a equipe livre para elaborar o plano. A concepção de líder multiplicador fortalece a busca pela melhor ideia, não pela ideia pessoal do líder.

Atrelar os conceitos de liderança adaptativa à ferramenta IPT® Liderança pode trazer aos profissionais de Recursos Humanos uma clareza maior sobre as características vigentes no respondente em questão, para selecionar as pessoas que têm maior capacidade de se adaptar às mudanças, ao regime organizacional, ao poder de ensinar seus colaboradores.

O relatório traz uma seção de reflexão, que convida o profissional a desenhar um plano de ação, de acordo com os principais gaps de liderança. Eis algumas das questões:

  • Sobre quais habilidades e competências específicas você quer aprender mais, ou deseja fazê-lo no futuro? Quais são seus objetivos gerais de carreira? Quanto mais claros forem os objetivos, mais fácil será motivar-se para buscá-los.
  • Que experiências, educação ou treinamento você precisa ter para se preparar para o próximo estágio de sua carreira?
  • Quais são as coisas mais significativas que você pode fazer para aumentar a eficácia de sua liderança e satisfação?
  • O que você precisa fazer para garantir que alcançará os objetivos desejados? Faça uma lista dos passos e atividades específicas.
  • Que hábitos você pode abandonar que talvez estejam atuando contra você e impedindo-o de alcançar o sucesso que deseja?
  • Que prazos você precisa definir para assegurar que alcance seus objetivos?

Vale, por fim, ressaltar que estamos todos em constante aprendizado e que a ferramenta é situacional.

Referências bibliográficas

  • DIAS, Fabiana. PLANEJAMENTO SITUACIONAL E LIDERANÇA ADAPTATIVA EM BENEFÍCIO DA EFICAZ CONTINUIDADE DA ADMINISTRAÇÃO TRANSFORMADORA. Brasília, 2018
  • HEIFETZ, Ronald; LINSKY Marty. Liderança no Fio da Navalha. Sobrevivendo aos perigos da mudança. Tradução de Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro. Alta Books. 2017.
  • HEIFETZ, Ron; GRASHOW, Alexander. LINSKY, Marty. The practice of adaptive Leadership. Cambridge: Harvard Business Press, 2009.

Tema: IPT® Liderança.

Subtema: Uma associação do conceito de liderança adaptativa à aplicação do instrumento IPT® liderança e seus benefícios.

Objetivo: Desenvolvimento Organizacional, Recursos Humanos, Desenvolvimento de Liderança, Coaching nas Empresas, Recrutamento e Seleção.

Este conteúdo é de propriedade da Fellipelli Consultoria Organizacional. Sua reprodução; a criação e reprodução de obras derivadas – a transformação e a adequação da obra original a um novo contexto de uso; a distribuição de cópias ou gravações da obra, na íntegra ou derivada -, sendo sempre obrigatória a menção ao seu autor/criador original.


Veja também

Soft skills, as valiosas competências comportamentais do futuro

Clique aqui

Produtos relacionados

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Apenas clientes logados que compraram este produto podem deixar uma avaliação.