Invictus – Um compromisso com a reconciliação4 min de leitura

invictus-compromisso-reconciliacao

A utilização de vídeos em sala de aula pode ajudar infinitamente no aumento da compreensão dos tipos de comportamentos.

Ao assistir simultaneamente a mesma cena, os participantes se beneficiam de uma posição comum como audiência e mesmo que já tiverem assistido ao vídeo, desta vez, estarão pensando em exemplos ligados ao contexto do curso, workshop, etc.

Recomendamos sempre que o consultor assista ao vídeo completo e que escolha cenas que incluam comportamentos facilmente observáveis e que tenham aplicação direta com o aprendizado.

É importante escolher um ou dois personagens no máximo por filme para poder distinguir traços de personalidade. Também é importante considerar o tipo de público e a cultura da organização, para evitar qualquer cena que possa causar distorção de conteúdo que não seja o propósito da utilização do filme dentro do contexto.

Sinopse:

Assim que o novo presidente da África do Sul (Nelson Mandela), eleito logo após ter permanecido preso por quase 30 anos, assume o governo de um pais dividido racial e economicamente, após o fim da apartheid, ele percebe que a Copa Mundial de Rúgbi pode servir como uma união para o povo. Para isso, ele recruta o suporte do capitão da equipe Springbok, François Pienaar, os quais juntos conseguem ir além de mudar a notoriedade do time, mas o destino de todo um país ao unirem os torcedores da equipe que representam todo o país.

Se lembramos dos cinco princípios de Liderança exemplar, do modelo Kouzes e Posner, podemos ver como no filme Invictus eles estão espelhados na figura de Nelson Mandela.

Óbvio que conhecemos Mandela como um ícone de Liderança. O que o destaca é sua capacidade de perdoar. Ele é aquele líder que, depois de passar por sofrimento pessoal extraordinário, consegue dar um abraço e cumprimentar os seus torturadores em virtude de um bem maior.

Ele perpetua seu compromisso com o processo de reconciliação como meio para unir um país profundamente dividido e sabe que as marcas que estabelece como padrão são cruciais para que essa união seja sustentável. Ele, como líder, é o exemplo perfeito do famoso walk the talk (coerência entre o discurso e sua prática) – em alguns exemplos tangíveis como a composição étnica de sua equipe de guarda costas, ou mediante intervenções para garantir que a minoria branca da população não seja punida por mudanças feitas como na equipe de rúgbi Springbok.

Mas o filme Invictus não é somente sobre Mandela; existem lutas de liderança que acontecem simultaneamente em diferentes níveis. Uma delas é com o próprio capitão da equipe Springboks que estava em queda de ratings e assume o desafio da visão de Mandela como próprio. Outro exemplo acontece com o chefe da segurança de Mandela, Jason Tshabalala, o qual tem que aprender a trabalhar com e confiar nos membros de uma força de segurança especial, que antes eram inimigos.

Liderados pelo exemplo de Mandela, todos seguem o modelo, demonstrando comportamentos que serão críticos na reconstrução de seu país como uma nova nação.

Quando pensamos em líderes, tipicamente é pensar em pessoas com carisma e fortes personalidades.

Desde sempre, parece que as culturas ditavam que os grandes líderes deveriam ser extrovertidos que, além de vender suas empresas, produtos, políticas e procedimentos, deveriam ser capazes de vender sua imagem, etc. Nelson Mandela provou de maneira admirável, que a introspecção tranquila que sempre se associa aos introvertidos, realmente faz com que sejam excelentes líderes.

Em sua famosa biografia, Long Walk to Freedom, Mandela lembra quando tinha nove anos, e conta do contraste entre ele e seu melhor amigo nesse momento, Justice, o filho do chefe da tributal – “ele era extrovertido, eu era introvertido; ele era leve e alegre, eu era sério”.

Durante várias circunstâncias de sua vida, ele conta como preferia a disciplina e a solidão de corridas de longas distâncias, que o permitiam escapar da vida agitada da escola.

Mandela se encaixa perfeitamente na classificação de INFJ, e como tal demonstrou inúmeras vezes sua habilidade nata de entender os sentimentos dos demais e ter um interesse primordial sobre as pessoas e a sociedade, ajudando a tornar o mundo um lugar melhor. Os INFJs sabem escutar e sabem interagir bem com as pessoas com quem têm ligações emocionais.

Como bom introvertido, Mandela tinha a inteligência de “Liderar nos bastidores”, segundo o editor Richard Stengel que trabalhou com Mandela no Long Walk to Freedom.

Neste filme, podemos ver como vários aspectos da prática de sua liderança estão salpicados de comportamentos típicos de um introvertido.

Direção: Clint Eastwood
Elenco: Morgan Freeman, Matt Dammon, Bonnie Henna, Scott Eastwood, Langley Kirkwood, Grant Roberts
Duração: 134 minutos
Gêneros: Drama, Biografia, Histórico
Nacionalidade: EUA

Este filme pode se aplicar para: Prática da Liderança e Tipos Psicológicos.

Fontes:
– The Leadership Challenge, James Kouzes and Barry Z. Posner, Wikipedia
– SACAP (The South African College of Applied Psychology)


Leia também

AMOR SEM ESCALAS

Clique aqui

Reader Interactions

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.