A importância do Firo-B™ para aumentar a autoestima12 min de leitura

Escolher trabalhar a autoestima para ser bem-sucedido é respeitar seus limites pessoais

Will Schutz dedicou sua vida e sua obra na compreensão humana, vinculada à simplicidade. Com a criação do Firo-B™, ele foi capaz de mapear os aspectos interpessoais dos indivíduos. Assim, uniu o que parecia antagônico: o âmago do ser e o poder de chegar a resultados, de forma simples.

Uma de suas pesquisas consistiu em investigar a autoestima e suas implicações para as mudanças comportamentais das pessoas.

Em suas próprias palavras:

Após 15 anos trabalhando com organizações, concluí que um autoconceito positivo, ou seja, a autoestima – é o resultado final, a chave para aumentar a produtividade e qualidade do local de trabalho. Essa conclusão me levou de volta a muitos pensamentos que eu tinha começado na década de 1960 sobre esse tópico. Eu sempre tive problemas para entender as críticas à Geração ‘eu’. Tom Wolfe e outros o chamavam de narcisista, vaidoso, egoísta, egoísta, orgulhoso. De onde eu estava, perto do centro do movimento potencial humano, essas descrições eram desconcertantes. Com poucas exceções, as pessoas que eu conhecia, que eram bem-sucedidas em descobrir quem eram, não possuíam nenhuma dessas características. Como cada pessoa veio para ‘conhecer a si mesmo’, elas me pareciam mais calmas, mais fortes, mais reais, mais honestas, mais bem-sucedidas em seus relacionamentos e genuinamente atenciosas e prestativas. Eu não estou certamente dizendo que a geração “eu” ou alguns defensores da autoestima sejam inteiramente sem culpa das acusações feitas. Falo apenas da grande maioria que observei. Do meu ponto de vista, os defensores da autoestima estão exatamente certos. A autoestima é, de fato, o cerne da questão.”

Segundo o dicionário Michaelis, a autoestima pode ser definida da seguinte maneira:

autoestima

au·to·es·ti·ma

sf

Sentimento de satisfação e contentamento pessoal que experimenta o indivíduo que conhece suas reais qualidades, habilidades e potencialidades positivas e que, portanto, está consciente de seu valor, sente-se seguro com seu modo de ser e confiante em seu desempenho.

No entanto, há muitas pessoas que confundem autoestima com megalomania.

Para Schutz, essas definições compõem um paradoxo muito interessante. Quando a autoestima de uma pessoa é alta, no sentido do dicionário, ela jamais irá olhar para si mesma de uma forma exagerada.

Não cabe a arrogância, quando se sabe o tamanho do seu próprio contorno.

Pelo contrário, é quando eu possuo pouco respeito por mim mesmo que eu sou capaz de invadir o espaço alheio, com julgamentos e fórmulas de convencimento, para reafirmar a mim mesmo que estou bem. A paz interior, para Schutz, é introvertida.

Figura 1 O encontro entre o querer e a sua correspondência ao ser.
Figura 1 O encontro entre o querer e a sua correspondência ao ser.

O que é, afinal, a autoestima?

Autoestima, na teoria de Schutz, é o sentimento que está por trás do autoconceito. É o encontro entre o querer e a sua correspondência ao ser. Se o autoconceito é positivo, a pessoa se sente viva, autodeterminado, autoconsciente, significativa, competente e agradável.

A autoestima vem da escolha bem-sucedida de ser o tipo de pessoa que se quer ser.

A autoestima é consciente e inconsciente. Começa na infância e é desenvolvida à medida que se cria o autoconceito através da internalização (ou rejeição) de mensagens acerca de si mesmo, dos pais, dos professores, familiares e amigos. A construção da autoestima também está ligada às experiências que vão sendo acumuladas, ao longo da vida. Na fase da infância, principalmente, essas experiências são pautadas pelos limites impostos pelos outros ou por si mesmo. Quanto mais eu acredito e consigo imaginar a vida ilimitada, mais chances eu tenho de possuir uma autoestima elevada.

Outra questão fundamental é o nível de comparação que eu tenho com os outros. Algumas partes do autoconceito, segundo Schutz, ficam escondidas, no inconsciente, por escolha nossa. Às vezes porque me sinto desconfortável com eles, ou sinto que não posso ou não quero lidar, naquele momento.

Um exemplo:

Eu posso ter assumido que eu era basicamente um menino mau, portanto não amável por aqueles que me conheciam bem. Fiz esse sentimento de inconsciente desagradável; era muito doloroso para reconhecer. Para esconder esse sentimento de mim mesmo, ou para defender eu mesmo contra ter que experimentá-lo, posso me tornar arrogante; ou seja, eu exagerei minha própria importância, ou me gabo de minhas realizações, ou sou muito cativante. Este comportamento surge da baixa autoestima inconsciente e do autorrespeito inconsciente.

Quando eu demonstro autoestima, sou flexível, capaz de me expressar plenamente, sendo eu mesmo com espontaneidade, com percepções precisas, ou aprendendo a trazê-las para a consciência.

Nas palavras de Schutz:

Na medida em que me experimento como sendo meu ideal e como sendo diferente do que eu quero evitar, tenho autoestima positiva. Da mesma forma, quanto mais eu fico aquém do meu ideal, quanto mais decepcionado estou comigo mesmo, mais raiva eu sinto por mim. Sentimentos de decepção e raiva reduzem minha autoestima. Por que eu sinto essas inadequações no meu autoconceito? Como posso aumentar minha autoestima? A resposta para estas perguntas estão no conceito de escolha: presumo que escolho sentimentos e comportamentos porque, por mais ineficazes que possam parecer, levarão a uma recompensa. Quando eu escolho ter baixa autoestima, é porque recebo uma recompensa por isso.”

Quando não estou me sentindo bem comigo mesmo, elogios e apoio de outras pessoas são agradáveis ​​de ouvir, mas não me fazem sentir bem por muito tempo, se é que o fazem. Eu dispenso elogios porque acredito que os elogiadores não conhecem todas as minhas falhas, todos os pensamentos e sentimentos que tenho e todas as coisas que fiz. Se eles soubessem, não sentiriam o mesmo por mim. Eu posso até perceber elogios ou gostos de outras pessoas por mim como uma ameaça. E se eu fizer algo para desapontá-los? Eles podem retirar sua admiração. E, por isso, é arriscado para mim me sentir bem quando eles dizem coisas boas sobre mim. Lá existem outras recompensas por escolher não gostar mais de mim: ‘É arrogante gostar de mim mesmo. Se eu parecer modesto, as pessoas vão gostar mais de mim… As pessoas não esperam muito de mim se eu parecer inseguro de mim mesmo… Não serei suficientemente impertinente para pensar que sou melhor do que meus pais ou irmãos… Eu seria ridículo se eu gostasse muito de mim, se mais ninguém gosta.’”

O uso da autoestima nas organizações

Parece quase contraditório, pensar que podemos incrementar a autoestima nas organizações, sem afetar condições ególatras ou mesquinhas. Como poder controlar os colaboradores, em plenas rédeas de si mesmos?

Na verdade, muito da nossa experiência com o desenvolvimento de pessoas nos traz os resultados contrários. Quanto mais uma pessoa se conhece, se ama e se aceita, melhor será a sua produtividade, maior será a aderência dela em uma determinada cultura, porque há o alinhamento de valores.

Figura 1.1 O alinhamento de valores estimula a participação de todos na equipe.
Figura 1.1 O alinhamento de valores estimula a participação de todos na equipe.

As maiores dificuldades do trabalho em equipe residem na insegurança entre os membros. Surgem, pois, da rigidez e defensividade dos indivíduos, que não enaltecem suas diferenças. O medo de se expor ultrapassa a vontade de agir em prol do coletivo.

A resolução de conflitos também depende da dissolução da rigidez dos indivíduos. O conflito pode, assim, ser visto como um desafio, um quebra-cabeça a ser resolvido por todos.

A solução de problemas é bloqueada quando uma pessoa está ansiosa por ser exposta, quando está determinada a ter razão, ou demonstra outros tipos de comportamento defensivos que decorrem da falta de autoestima.

A liderança depende da autoconsciência, o que, por sua vez, exige forte autoestima para reconhecer as fraquezas individuais e estar confortável para ser verdadeiramente conhecida pelos demais, em virtudes ou fraquezas.

A avaliação de desempenho é bem-sucedida na medida em que cada pessoa se sente reconhecida por seus pontos fortes e fracos e por quem ela é. Através da autoestima saudável, a pessoa se dispôes a abandonar a culpa em favor da solução de problemas.

Programas de qualidade são bem-sucedidos quando agendas pessoais baseadas em baixa autoestima são tratadas de forma eficaz. A diversidade pode ser comemorada quando ameaças ao autoconceito de “diferentes” grupos são aliviadas.

Schutz explica, em maiores detalhes, como trabalhar a autoestima, nos dois níveis: organizacional e pessoal.

Como melhorar a autoestima nos indivíduos

Para o indivíduo, o objetivo é aprimorar continuamente as seis dimensões que definem a autoestima:

  • Vitalidade. Estou totalmente vivo. Eu me uso bem. Sou enérgico. Eu não estou entediado.
  • Autodeterminação. Eu escolho minha própria vida. Eu sou autodeterminado e autônomo. Sinto-me livre e não coagido. Eu sou responsável por mim.
  • Autoconsciência. Eu digo a verdade para mim e para os outros. Estou ciente de mim mesmo. Eu estou ciente de que tenho um inconsciente e constantemente me esforço para ser mais consciente. Eu não me engano.
  • Significado. Eu me sinto significativo. Eu sou uma pessoa importante Eu faço a diferença.
  • Competência. Eu me sinto competente. Eu posso lidar com as situações apresentadas pela vida.
  • “Queridibilidade”. Eu me sinto agradável. Eu gosto da minha própria companhia. Eu gosto da pessoa que sou.

Para as organizações

Para a organização, o objetivo é criar uma atmosfera que promova a autoestima de todos os funcionários, especificamente por meio dos seguintes fatores:

  • Participação. A organização oferece total participação em seus negócios. Eu, o funcionário, não quero (nem sou obrigado) a participar de todas as atividades, mas tenho a oportunidade e sou convidado a fazê-lo. Eu sou informado pela empresa sobre atividades e me incluo naquelas que desejo seguir.
  • Liberdade. Confio em determinar meus melhores cursos de ação.
  • A organização e eu somos totalmente abertos um com o outro. Não mantemos segredos (exceto segredos industriais ou de segurança certificáveis) e não ocultamos agendas. Eu respondo a todas as perguntas verdadeira e completamente.
  • Sou conhecido e reconhecido pela organização. Como política, a organização adquire, como rotina, uma compreensão do valor e das habilidades de cada funcionário.
  • Fortalecimento. Eu tenho total poder e faço tudo voluntariamente. Eu participo das decisões finais sobre todos os assuntos que mais conheço e que mais me afetam.
  • Humanidade. A organização aprecia e me conhece como pessoa e incentiva contatos sociais.

Quais outras ações posso fazer?

Afirmações:

  • Dizer a minha verdade, deixar que eu e os outros saibamos qual é a minha verdade.
  • Estar ciente de que estou sempre escolhendo e aceito a responsabilidade sem culpa por tudo que está acontecendo na minha vida
  • Buscar autoconsciência mais profunda, ler, discutir, ponderar, melhorar minha consciência de programações antigas e níveis mais profundos de ser.
  • Abandono da culpa e do julgamento.
  • Ouvir e procurar compreender antes de defender ou atacar os outros.
  • Visualizar meu eu ideal. Lembrar-me de que estou escolhendo a maneira que quero ser.
  • Questionar minhas crenças limitantes. Estou ciente de que sempre que digo a mim mesmo que não posso fazer alguma coisa, eu tenho certeza.
  • Entrar em contato com o meu corpo, ouvir sempre as pistas presentes.
  • Tratar meu crescimento e a mim mesmo com respeito e paciência, em vez de irritação e julgamento. Mantenho a perspectiva mais ampla de me desenvolver ao longo do meu próprio caminho.

Eu ideal:

Esse método converte-se à medida que o conceito de que a autoestima depende do quanto sou em relação ao o meu “eu ideal”. Isso me ajuda a identificar quais aspectos de mim são insatisfatórios e, portanto, me impede de me sentir melhor comigo mesmo.

Uma vez que eu acho o insatisfatório, posso descobrir minhas recompensas por não ser mais do jeito que eu quero ser. Tomando a diferença entre o que sou e o que quero ser, deduzo uma medida da minha autoestima.

Exemplos:

  • Sou mais competente do que realmente sinto.
  • Não me sinto vivo o suficiente.
  • Impeço que as pessoas vejam que sou tão importante quanto eu.

Escolha:

Agora, uso o conceito de escolha, ou autorresponsabilidade, para dar o próximo passo. Em vez de simplesmente prometer a mim mesmo “apenas mudar” os itens que considero insatisfatórios, presumo que escolho ter essas deficiências porque recebo uma recompensa por isso. Para encontrar a recompensa, eu lembro-me de que este não é um exercício para me julgar bom ou ruim. Devo me permitir ver como observador.

Depois de trazer as recompensas para minha consciência, estou em posição de tomar uma decisão consciente sobre o que quero fazer. Para cada um dos itens mais insatisfatórios, escrevo minha recompensa por me sentir assim.

A recompensa deve ser positiva e não irreverente. Eu sei que o que recebo por me diminuir é gratificante o suficiente para me impedir de me estimar mais, então elas devem ser potentes.

Schutz ainda explora, com profunda simplicidade, questões vinculadas à infância e ao inconsciente pessoal. Contudo, no âmbito organizacional, já há bastante material para se trabalhar com os times e com os indivíduos, a partir dessas lições.

É extraordinário perceber o poder do Firo-B™, quando combinado a estes exercícios de autoestima.

Referências bibliográficas:

  • Schutz, Will. Profunda Simplicidade
  • Schutz, Will. The Human Element

Tema: Firo-B™

Subtema: Como exercitar o relacionamento interpessoal para trabalhar a autoestima e se tornar um profissional bem-sucedido.

Objetivo: Autoconhecimento, Autodesenvolvimento, Desenvolvimento de Liderança, Desenvolvimento de Equipe, Coaching, Coaching nas Empresas.

 

Este conteúdo é de propriedade da Fellipelli Consultoria Organizacional. Sua reprodução; a criação e reprodução de obras derivadas – a transformação e a adequação da obra original a um novo contexto de uso; a distribuição de cópias ou gravações da obra, na íntegra ou derivada -, sendo sempre obrigatória a menção ao seu autor/criador original.


Veja também

Vídeo: Firo-B™ – Entendendo as motivações para um comportamento mais eficaz

Clique aqui

Produtos relacionados

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Apenas clientes logados que compraram este produto podem deixar uma avaliação.