Mitos sobre o MBTI®8 min de leitura

escalas-mbtiPor John A. Johnson, Ph.D., Professor de Psicologia na Universidade Estadual da Pensilvânia

O indicador MBTI® está entre os relatórios de personalidade mais famosos de todo mundo, sendo amplamente utilizado em grandes organizações para demonstrar como pessoas diferentes ou semelhantes interagem entre si.

Ao mesmo tempo, o MBTI® tem sido alvo de críticas extremamente duras da comunidade de psicólogos. Um amigo recentemente me perguntou o que eu pensava sobre um artigo recente de Joseph Stromberg e Estelle Caswell que descreveu o Myers-Briggs Type Indicator® (MBTI®) como “totalmente sem sentido”. Eu li o artigo e percebi seus autores citados as mesmas queixas sobre o MBTI® que eu ouvi durante décadas. Pois foi isso que repondi ao meu amigo:

Dizer que o Indicador de Tipo Myers-Briggs (MBTI®) é “totalmente sem sentido” é exagerar as falhas do instrumento e como ele é usado. As principais queixas sobre o MBTI®, que foram apresentadas ao longo dos anos e são repetidas no artigo de Stromberg e Caswell são as seguintes:

1. O MBTI® foi desenvolvido por Katharine Cook Briggs e sua filha, Isabell Briggs Myers, ambas sem formação em psicometria ou psicologia e sem experiência anterior com avaliações psicológicas. Briggs obteve um diploma em agricultura e Myers, em ciência política.

2. O MBTI® é baseado na teoria psicanalista de Carl Jung, que é desrespeitado por muitos psicólogos acadêmicos, que o consideram um místico sem qualquer ideia de relevância científica.

3. O MBTI® classifica as pessoas em 16 categorias de tipos, mas a maioria dos psicólogos da personalidade concorda que as diferenças individuais na personalidade são melhor descritas por traços contínuos do que categorias de tipos discretos. Eles observam que as distribuições das pontuações nas escalas MBTI® são contínuas, com a maioria das pontuações no meio, em vez de acumular nas extremidades baixa e alta, como a teoria de tipos pode prever.

4. Os críticos afirmam que não há nenhuma pesquisa indicando pontuação no MBTI® para prever resultados de vida significativa, como desempenho no trabalho e satisfação.

Eu tenho uma resposta para cada uma dessas críticas.

1. Briggs e Myers podem não ter tido treinamento formal em avaliação psicológica, mas eram altamente inteligentes, educadas na universidade, observadoras, pensativas e apaixonadas pela compreensão da personalidade. Pesquisas de Ashton e Goldberg (1973) demonstraram que mesmo indivíduos sem treinamento psicológico formal podem criar escalas de personalidade tão válidas quanto as escalas desenvolvidas profissionalmente. Imagine o que duas mulheres inteligentes e altamente motivadas poderiam fazer se colocassem suas mentes nisso.

2. As ideais cientificamente duvidosas de Jung sobre arquétipos, alquimia, sincronicidade, inconsciente coletivo, paranormal e assim por diante são irrelevantes para sua teoria de tipos psicológicos. A teoria dos tipos de Jung nos deu os conceitos de introversão e extroversão, que os psicólogos da personalidade moderna e científica estão perfeitamente felizes em usar hoje. Embora seja verdade que a maioria dos psicólogos da personalidade moderna teriam medo de realizar pesquisas com base na teoria de Jung de tipos ou o MBTI®, que nem sempre foi o caso. Por exemplo, Rae Carlson e Ravenna Helson (psicólogos altamente respeitados e premiados) publicaram uma pesquisa empírica baseada na teoria dos tipos de Jung no jornal de topo no campo:


– Carlson, R. (1980). Estudos de tipologia junguiana II: Representações do mundo pessoal. Journal of Personality and Social Psychology, 38, 801-810.

– Helson, R. (1982). Críticos e seus textos: Uma aproximação à teoria de Jung da cognição e da personalidade. Jornal de Personalidade e Psicologia Social, 43, 409-418.


3. A teoria de tipos é um assunto muito complexo que não se resume a como as pontuações são distribuídas e se as pessoas se enquadram em categorias discretas. Existem hoje teorias de tipos extremamente bem-sucedidas e bem apoiadas, especialmente a teoria de John Holland, dos seis tipos de personalidade-vocacionais, atualmente a teoria mais amplamente utilizada na psicologia vocacional. Mesmo psicólogos pensam em termos de tipos quando consideram as pessoas que pontuam no extremo superior de uma escala de extroversão como “extrovertidos”. Tipos podem (e muitas vezes são) pensados como traços, quando falamos sobre o grau de semelhança com um tipo. Eu escrevi sobre a similaridade da teoria dos tipos e traços na prática. Aqueles que estão interessados na complexidade da teoria dos tipos também deveria ler a monografia de Grant Dahlstrom.


Dahlstrom, W. G. (1972). A sistemática da personalidade e o Problema dos Tipos. Morristown, NJ: Imprensa de Aprendizagem Geral.

Johnson, J. A. (1997). Unidades de análise para descrição e explicação em psicologia. Em R. Hogan, J. A. Johnson, & S. R. Briggs (Eds.), Handbook of personality psychology (pp. 73-93). San Diego, CA: Academic Press.


4. As tendências psicológicas medidas pelo MBTI® não são muito diferentes de quatro das características do modelo de cinco fatores (FFM), amplamente aceito, como McCrae e Costa (1989) demonstraram. O MBTI® não faz referência à dimensão do neuroticismo, que os críticos às vezes citam como uma falha do MBTI® para avaliar traços “ruins”. No entanto, pesquisas adicionais por Harvey, Murry e Markham (1995) indicaram que itens normalmente não corrigidos no MBTI® podem ser pontuados para produzir uma medida de neuroticismo, se desejarmos. Dado que há uma enorme quantidade de pesquisas indicando o impacto significativo dos cinco principais fatores de personalidade sobre os resultados de vida e as escalas do MBTI® são semelhantes aos fatores da FFM, segue-se que as pontuações no MBTI® podem prever resultados significativos para a vida de um respondente.


Harvey, R.J., Murry, W.D., & Markham, S.E. (1995). Um sistema de pontuação Big Five para o indicador de tipo Myers-Briggs. Trabalho apresentado na Conferência Anual da Sociedade de Psicologia Industrial e Organizacional, Orlando, FL.

Traduzido e revisado por Fellipelli Consultoria Organizacional.

McCrae, R.R., & Costa, P. T. (1989). Reinterpretando o MyersBriggs Type Indicator a partir da perspectiva do modelo de cinco fatores da personalidade. Journal of Personality, 57, 17-40.


Resumo

Um duro olhar para as críticas comuns do MBTI® indica que nenhuma dessas críticas resiste. Às vezes, me pergunto se os acadêmicos não são um pouco ciumentos pelo sucesso comercial do MBTI® e, portanto, procuram maneiras de derrubá-lo.

Isso não significa que o MBTI® está além da crítica. Como eu vejo, o maior problema com o MBTI® não é com o próprio inventário, mas com a forma como ele é normalmente pontuado e interpretado. Nenhum inventário de personalidade é confiável o suficiente para classificar as pessoas em 16 categorias de tipos, razão pela qual as pessoas podem obter diferentes perfis de tipo quando levam o inventário em várias ocasiões. Portanto, não faz muito sentido em classificar as pessoas com códigos de quatro letras, como INFP e ESTJ e considerar esses códigos de tipo como retratos estáveis de personalidade.

Seria mais aconselhável cientificamente marcar as escalas MBTI® continuamente para mostrar às pessoas o grau em que se assemelham aos tipos. Se as escalas forem pontuadas conforme a maioria das escalas de traços de personalidade forem pontuadas, o MBTI® pode ainda ser útil em oficinas concebidas para aumentar a autopercepção e a percepção das diferenças e semelhanças entre as pessoas. Poder-se ainda criar atividades de grupo e exercícios didáticos nos quais as pessoas têm pontuações muito semelhantes ou muito diferentes no MBTI®; seria simplesmente falar sobre essas semelhanças e diferenças como uma questão de grau, em vez de uma função de tipos totalmente diferentes.

Pontuar e interpretar o MBTI® da forma como outros inventários de personalidade são marcados e interpretados pode ser menos divertido do que encontrar – como um sinal astrológico – um único rótulo para o seu “tipo”. Todo o folclore sobre INFPs, ESTJs, etc. teria que ser demitido. Mas, no final, o MBTI® é suficientemente confiável e válido o suficiente para ser útil em uma série de contextos do mundo real.


Leia também

DEPOIMENTOS – QUALIFICAÇÃO MBTI®

Clique aqui

Reader Interactions

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.