Coronavírus. Muito mais do que a sua realidade: o medo do incerto e a superexposição à mídia6 min de leitura

O que David Rock, co-fundador do NeuroLeadership Institute e outros profissionais da área, pensam a respeito do impacto global do coronavírus.

Amanheceu e você não consegue parar de ler e se informar a respeito do coronavírus.

Talvez você esteja querendo saber se deve cancelar sua viagem de férias ou se a escola de seu filho será fechada ou ainda quantas pessoas provavelmente morrerão.

Você busca por respostas em mídias que confia, junto com algumas nas quais você nem tem tanta certeza. E quando não encontra informações conclusivas, continua pesquisando, clicando e lendo.

Se você entrou para a toca do coelho com coronavírus, não está só.

É natural sentir-se ansioso com a evolução da situação. É uma nova ameaça que já causou mais de 4.200 mortes em todo o mundo.

Mas os especialistas dizem que há algo mais que está aumentando nossa ansiedade coletiva em torno da pandemia potencial: medo do desconhecido.

“Nossos cérebros estão conectados para prestar atenção adicional à incerteza”, disse David Rock, co-fundador do NeuroLeadership Institute e autor de “Your Brain at Work”. “É algo com o qual todos temos problemas, embora isso afete algumas pessoas mais do que outras”.

E quando se trata de coronavírus, há muita incerteza.

Os pesquisadores ainda estão aprendendo como o vírus se espalha, sua taxa de mortalidade e qual a melhor forma de tratá-lo. Ao mesmo tempo, informações sobre novos casos e mortes chegam diariamente, se não a cada hora.

Figura 1.1 A tela do celular exibindo manchetes sobre o surto de coronavírus.
 (Frederic J. Brown / AFP-Getty Images)

Tudo está mudando tão rapidamente que pode ser difícil saber como responder melhor para manter toda a população segura.

E, para alguns, os conselhos de organizações pública de saúde, como o Ministério da Saúde e Centros de Controle e Prevenção de Doenças – para lavar as mãos, etiqueta respiratória e ficar em casa se estiver doente – podem não parecer suficientes diante do que consideram ser uma ameaça esmagadora.

“Essas orientações não são suficientes e satisfatórias para as pessoas”, disse Paul Slovic, psicólogo da Universidade de Oregon que estuda a percepção de risco. “As pessoas querem uma pílula, querem uma vacina, querem uma sensação de controle”.

Rock disse que, diante de uma situação ambígua – talvez boa, talvez ruim – nossos cérebros apostam automaticamente que isso é muito ruim, só por precaução.

Ele diz: “É uma apólice de seguro”, “Se você acha que ouve um urso na floresta, é melhor estar seguro e começar a correr do que esperar até ver um correndo em sua direção”.

Uma maneira pelas quais as pessoas tentam exercer controle em tempos de incerteza é aumentar o consumo de mídia, disse Roxane Cohen Silver, professora de ciências psicológicas e saúde pública da UC Irvine.

“Quando há muita ambiguidade e muita incerteza, as pessoas são atraídas para a mídia”. “É um ciclo muito difícil de sair.”

Figura 1.2 Um funcionário da Apple Store em Beijing no dia 1º de fevereiro, pouco antes da Apple fechar todas as suas lojas na China. (Kevin Frayer / Getty Images)

Olhar para a mídia em tempos de crise pública pode ser útil. Fontes confiáveis ​​podem ajudar você a tomar decisões com base nas informações para proteger sua saúde. Eles também podem combater os rumores prejudiciais e aliviar o sofrimento, fornecendo informações precisas que colocam a ameaça no contexto. (Por exemplo, é útil lembrar que cerca de 80% das pessoas infectadas com o novo coronavírus têm sintomas leves na pior das hipóteses.)

No entanto, as pesquisas de Silver nas últimas duas décadas também mostraram que, em tempos de trauma coletivo, como desastres naturais e tiroteios em massa, o ciclo contínuo da mídia, e muitas das redes sociais, também pode levar as pessoas a superestimarem a gravidade da ameaça à sua própria comunidade – e isso leva a problemas psicológicos e até sofrimento físico.

Após os ataques terroristas de 11 de setembro, Silver e seus colaboradores descobriram que o aumento da exposição da televisão aos terríveis eventos estava associado ao estresse pós-traumático e a problemas cardiovasculares três anos depois.

“Essas pessoas aprenderam apenas sobre os ataques na televisão e ficaram realmente estressadas com isso”, disse ela. “Você não precisa conhecer alguém que morreu naquele dia ou conhecer alguém que estava lá para ser impactado.”

Em outro estudo, a mesma equipe descobriu que após os atentados à Maratona de Boston em 2013, as pessoas que relataram a maior exposição na mídia também relataram níveis mais altos de estresse agudo do que aqueles que estavam realmente lá.

Silver afirma que “A mídia é uma faca de dois gumes”. “É o mecanismo pelo qual obtemos informações importantes e, muitas vezes, validadas. Mas, ao mesmo tempo, precisamos nos proteger do ataque do ciclo de notícias 24/7.

Então, qual é a dose saudável de mídia que manterá as pessoas informadas sem se estressarem desnecessariamente?

Baruch Fischhoff, psicólogo e cientista de decisões da Universidade Carnegie Mellon, recomenda a escolha de três fontes de mídia séria e uma agência local de saúde pública a seguir. Em seguida, verifique a cobertura de coronavírus uma vez por dia.

“Lembre-se de que a experiência da TV e do rádio é manter você ouvindo e te envolver”, disse ele.

O conselho de David Rock é limitar o consumo de mídia de coronavírus a 10 minutos por dia, não a 10 minutos por hora.

“Quanto mais nos sentirmos sob controle, mais tranquilos ficaremos”, disse Rock. “E uma coisa que você pode controlar é sua entrada na mídia”.

Silver disse que lembra a seus próprios amigos e familiares que se mantenham informados, mas evitem histórias repetitivas com pouca ou nenhuma informação nova, porque elas podem ampliar o senso de estresse e destruição.

“As coisas estão muito diferentes, nesta semana principalmente, comparado à semana passada, e realmente não sabemos como estarão na próxima semana”, disse ela. “É desafiador e estressante lidar com toda essa incerteza, mas a superexposição à mídia provavelmente não ajudará.”

Fonte: Extraído da News do Neuroleadership Institute, parceria com o L.A.Times.

Traduzido e revisado por Fellipelli Consultoria Organizacional

Tema: NLI

Subtema: Coronavírus: o medo potencializado pela superexposição à mídia.

Objetivo: Autoconhecimento, Autodesenvolvimento, Conscientização, Utilidade Pública.

Este conteúdo é de propriedade da Fellipelli Consultoria Organizacional. Sua reprodução; a criação e reprodução de obras derivadas – a transformação e a adequação da obra original a um novo contexto de uso; a distribuição de cópias ou gravações da obra, na íntegra ou derivada -, sendo sempre obrigatória a menção ao seu autor/criador original.

Reader Interactions

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.