Como suas emoções influenciam suas decisões?6 min de leitura

A fim de existir algo parecido com uma teoria completa sobre a racionalidade humana, precisamos compreender o papel da emoção neste contexto”.

– Herbert Simon, cientista Americano vencedor do Prêmio Nobel,

Conforme ele e outros destacaram, as emoções influenciam, enviesam e às vezes determinam completamente o resultado de várias decisões com as quais nos confrontamos durante o dia. Portanto, cabe a nós, que queremos tomar decisões melhores e mais objetivas, sabermos tudo o que pudermos sobre as emoções e seu efeito em nossas decisões.

Mas, caso você ainda não tenha comprado esta ideia e ainda crê que suas decisões são tomadas sem vieses emocionais, vamos ver como as emoções são formadas e como elas se transformam em sentimentos acionáveis.

Figura 1. A compreensão das emoções e sentimentos e a tomada de decisão.

Primeiramente, cada sentimento começa com um estímulo externo, seja por alguma coisa que uma pessoa tenha dito ou um evento físico. Esse estímulo gera uma emoção ainda não vivenciada no cérebro, o que faz com que o corpo produza hormônios reativos. Esses hormônios entram na corrente sanguínea e criam sentimentos, ora positivos, ora negativos.

Resumindo, são os estímulos, depois as emoções, em seguida os hormônios e por fim, os sentimentos. Em outras palavras, suas emoções impactam seu processo de tomada de decisão ao criar certos sentimentos.

De acordo com outro expert na área, o neurocientista português Dr. António R. Damásio afirma:

O cérebro precisa atualizar constantemente suas informações em relação ao estado do corpo para regular os vários processos que o mantêm vivo. Além disso, ele precisa traduzir essas emoções em sentimentos acionáveis. Em um ambiente em constante mudança, essa é a única forma na qual um organismo é capaz de sobreviver.”

Por exemplo, quando nos sentimos ameaçados por algo, a emoção inicial é classificada como “medo”. Este medo, em termos de hormônios, resulta na produção de sentimentos de lutar ou fugir, permitindo que o nosso corpo reaja de forma rápida e apropriada para sua autopreservação. Essa reação emocional acontece de forma súbita e inconsciente. Então, geralmente após um breve período de tempo, tornamo-nos conscientes dessas mudanças. Tornamo-nos conscientes delas apenas após esses hormônios entrarem na corrente sanguínea e quando nos sentimos ameaçados ou, talvez, inferiores.

Estar consciente de que existe uma dança constante e complexa entre emoções e sentimentos pode melhorar significativamente a sua inteligência emocional, incluindo a sua capacidade de tomar decisões.

Para ajudar a compreender o assunto, a Roda das Emoções de Paul Ekman é uma excelente sugestão:

Figura 2. Roda das Emoções baseada na de Paul Ekman.

Para continuar com o exemplo acima, podemos ver a Roda das Emoções para visualizar mais claramente que o “medo” no círculo interior é diferente do “amedrontado” no círculo exterior. Ou, para mudarmos o foco para algo mais positivo, podemos usar a Roda das Emoções para ver que a emoção “feliz” no círculo interior pode resultar de um sentimento de “alegria”, “poder” ou “orgulho” no círculo exterior.

Você pode dizer que está tudo ótimo, mas como compreender isso nos ajuda a tomar decisões que sejam de fato benéficas em longo prazo, e não talvez percebidas como benéficas em curto prazo? Fazemos isso focando no sentimento resultante. Em outras palavras, precisamos considerar como uma emoção em particular (círculo interior) irá ser traduzida em um sentimento (círculo exterior).

O desfecho está em compreender que as seis emoções são apenas categorias amplas com pouca especificidade, enquanto os sentimentos são similares a como nós, de fato, descrevemos o que está acontecendo com nosso corpo e nosso cérebro.

Por exemplo, podemos ver prontamente que a emoção de desgosto é apenas uma repulsa geral. Sem a Roda das Emoções, é impossível saber como ela é traduzida, ou seja, quais são os sentimentos.

Nós só podemos ver este resultado final quando utilizamos eficazmente o conhecimento das emoções e sentimentos no processo de tomada de decisão. Em vez disso, se tentarmos compreender qualquer emoção em particular, como o próprio desgosto, resulta em sentimentos de “repugnância”, “censura” ou “desgosto”, podemos avaliar melhor a questão e agir de acordo.

A título de prática, vamos tratar de uma situação em que você precisa lidar e tomar uma decisão. Exceto que, desta vez, iremos do específico para o geral, em vez de o contrário (do círculo interior para outros ciclos). Após ter identificado e selecionado um item do círculo exterior, registre aquele sentimento até chegar à emoção básica (círculo interior).

Usando este processo, você pode ver que enquanto você passar por um sentimento, você está de fato lidando com uma emoção. Às vezes, podemos pensar sobre nossos sentimentos como sintomas das nossas emoções. Então, assim como lidar com nossas doenças, é necessário chegar à raiz do problema (uma emoção), em vez do sintoma (um sentimento).

Figura 3. Identificando as emoções para tomar decisão.

Sendo assim, como desenvolver uma consciência a respeito deste processo para ajudar na tomada de decisão? Eis algumas dicas:

  • Dê nome ao que você está decidindo. Você não precisa da Roda para isso, mas precisa considerarexatamente qual é o problema e as ramificações da solução proposta.
  • Reconheça e classifique todos os sentimentos conectados à decisão. Esses sentimentos com certeza aparecem no circulo exterior da Roda das Emoções.
  • Traga seus sentimentos para dentro para o círculo mediano, a fim de identificar a causa raiz (uma emoção).
  • Processe a emoção, e não os seus sintomas (um sentimento).
  • Tenha consciência se você deseja tomar uma decisão a partir desta emoção específica ou se você deseja apenas mudar o curso.

Obviamente, você também precisa executar todas as coisas comuns que geralmente ouve falar como úteis para uma tomada de decisão objetiva, como evitar tomar decisões quando estiver cansado, estressado ou influenciado por fatores pouco objetivos.

Mesmo assim, identificar a raiz ou a base emocional dos seus sentimentos ajuda muito a melhorar sua tomada de decisão.

Fonte: Forbes

Traduzido e revisado por Fellipelli Consultoria Organizacional.

Tema: Inteligência Emocional, EQ-i 2.0

Subtema: A compreensão de suas emoções e sentimentos e a tomada de decisão

Objetivo: Autoconhecimento, Autodesenvolvimento, Coaching, Desenvolvimeto de Liderança, Neurocoaching, Team Building, Desenvolvimento de Competência.

 


Veja também

A Inteligência Emocional como pano de fundo para o exercício da Comunicação Não Violenta

Clique aqui

Reader Interactions

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.