Autoestima: a chave para a produtividade10 min de leitura

O quanto escolher ser bem-sucedido, respeitando meus limites pessoais, interfere na minha autoestima

Dr. Will Schutz, criador do FIRO-B™, afirmava que a autoestima era a chave para a produtividade no ambiente de trabalho. Para ele, a primeira resposta veio do dicionário. Segundo o Houaiss, autoestima é: “qualidade de quem se valoriza, se contenta com seu modo de ser e demonstra, consequentemente, confiança em seus atos e julgamentos.”.

Confiante empresário sorridente posando — Fotografia de Stock
Figura 1 Aquele que demonstra confiança em seus atos carrega autoestima dentro de si.

No entanto, há definições que colocam a palavra como a impressão exageradamente favorável de si mesmo. Sendo assim, os defensores irão utilizar a primeira definição, enquanto os críticos evidenciarão os aspectos negativos deste conceito.

Para Schutz, a arrogância e a prepotência são manifestações de uma baixa autoestima travestida. Ninguém que está bem consigo mesmo tem a necessidade de se mostrar como superior aos outros.

Na análise do autor, a autoestima é o sentimento que compõe a minha visão sobre o meu autoconceito.

Quando os meus desejos estão alinhados com as minhas capacidades, eu me torno alguém capaz de ter um autoconceito positivo ao meu respeito, aumentando minha competência e a autoconsciência.

Ou seja, a autoestima é a minha escolha de ser bem-sucedido na vida, de acordo com as minhas fortalezas e respeitando os meus limites pessoais.

A autoestima tem origem na infância, de acordo com a forma que meus pais me trataram e me permitiram construir a imagem de mim mesmo. Desde muito novos, comparamo-nos com os outros, e verificamos nossos potenciais e limites.

Muitas vezes, quando os limites são dolorosos para nós mesmos, escondemos de forma inconsciente, ignorando esses aspectos de nossa personalidade.

As organizações podem utilizar a autoestima na resolução de vários problemas vinculados às pessoas, tais como:

  • As dificuldades de trabalho em equipe surgem da rigidez e defensividade dos indivíduos que não vêm da diferença entre os membros, mas de baixa autoestima e medo de exposição.
  • resolução de conflitos também depende da dissolução da rigidez dos indivíduos e de fazer com que as pessoas vejam o conflito como um enigma lógico para os membros da equipe resolverem juntos.
  • resolução de problemas é bloqueada quando uma pessoa está ansiosa por estar exposta, ou está determinada a estar certa, ou mostra outros tipos de comportamento defensivo que provêm de baixa autoestima.
  • liderança depende centralmente da autoconsciência, o que, por sua vez, requer uma forte autoestima para reconhecer as fraquezas individuais e sentir-se confortável ao ser reconhecido pelos outros.
  • avaliação de desempenho é bem-sucedida na medida em que cada pessoa se sente reconhecida por seus pontos fortes e fracos. Com uma autoestima saudável, ela estará disposta a desistir da culpa em prol da solução de problemas.
  • Locais de trabalho desejáveis também podem ser alcançados por meio de autoconsciência.
  • Os programas de qualidade são bem-sucedidos quando agendas pessoais baseadas em baixa autoestima são tratadas de forma eficaz.
  • diversidade pode ser celebrada quando as ameaças ao autoconceito de “diferentes” grupos são atenuadas.
Problema de parceria — Fotografia de Stock
Figura 1.1 O uso da autoestima para a resolução de vários problemas organizacionais.

Como as organizações podem ajudar seus colaboradores a conhecerem melhor seu potencial e áreas de desenvolvimento?

Para Schutz, há alguns pontos que as empresas podem intervir no incremento da autoestima para seus colaboradores.

No plano individual, o objetivo é melhorar continuamente as seis dimensões que definem a autoestima:

  1. Vivacidade. Estou plenamente vivo. Eu me sinto bem. Estou enérgico. Eu não estou entediado.
  2. Autodeterminação. Eu escolho minha própria vida e tenho plena consciência disso. Eu sou autodeterminante e autônomo. Sinto-me livre e não coagido. Sou responsável por mim mesmo.
  3. Autoconsciência. Eu falo a verdade para mim e para os outros. Estou ciente de mim mesmo. Eu estou consciente de que tenho um inconsciente e esforço constantemente para ser mais consciente. Não me engano.
  4. Importância. Eu me sinto significativo. Sou uma pessoa importante. Eu faço a diferença.
  5. Competência. Eu me sinto competente. Posso lidar com as situações apresentadas pela vida.
  6. “Queredibilidade”. Eu me sinto querido. Eu gosto da minha própria companhia. Eu gosto da pessoa que eu sou.

No plano empresarial, há algumas ações que podem ser feitas para melhorar a autoestima também. O objetivo é criar uma atmosfera que promova a todos os funcionários um aumento da autoestima, especificamente por meio dos seguintes fatores:

  • Participação. A organização oferece participação total em seus negócios. Eu, funcionário, não quero (nem sou obrigado) a participar de todas as atividades, mas tenho a oportunidade e estou convidado a fazê-lo. Fico informado das atividades da empresa e me incluo nas atividades apropriadas que desejo prosseguir.
  • Liberdade. Sou confiável para determinar os melhores cursos de ação.
  • Abertura. A organização e eu estamos totalmente abertos um com o outro. Nós não mantemos segredos. Eu respondo todas as perguntas de forma sincera e completa.
  • Reconhecimento. Sou conhecido e reconhecido pela organização. Como uma política, a organização geralmente adquire uma compreensão do valor e das habilidades de cada funcionário.
  • Fortalecimento. Estou totalmente habilitado e faço tudo voluntariamente. Eu participo das decisões finais em todas as questões que eu conheço mais e que mais me afetam.
  • Humanidade. A organização me aprecia e encoraja os contatos sociais.

Schutz também destaca 5 formas de incrementarmos nossa autoestima. São elas:

1. Afirmações

A primeira abordagem é o nível de comportamento. Embora não seja a raiz da baixa autoestima, é sempre útil praticar formas mais positivas acerca de si mesmo, enquanto há a busca pelas causas:

  • Digo minha verdade, permito que os outros também saibam o que é a minha verdade.
  • Estou ciente de que sempre estou escolhendo e aceito a responsabilidade sem culpa por tudo o que acontecer na minha vida.
  • Procuro uma autoconsciência mais profunda, leio, discuto, pondero, melhoro minha consciência de níveis mais profundos e antigos de ser.
  • Desisto da culpa, adio o julgamento, escuto e compreendo antes de defender ou atacar os demais.
  • Imagino o eu ideal. Tenho em mente que estou escolhendo o jeito que eu quero ser.
  • Não minto a mim mesmo, não culpo, não me engano.
  • Pergunto sobre minhas crenças limitantes.
  • Entro em contato com meu corpo, ouço as sugestões presentes.
  • Trato meu crescimento e eu mesmo com respeito e paciência, em vez de irritação e julgamento. Mantenho a perspectiva maior de desenvolvimento ao longo do meu próprio caminho.

2. O self ideal

Este método converte em uma medida o conceito de que a autoestima depende de quão próximo eu estou do meu eu ideal. Isso me ajuda a identificar quais aspectos de mim são insatisfatórios e, portanto, me impedem de sentir-me melhor sobre mim. Uma vez que eu encontre as partes insatisfatórias, posso descobrir os meus ganhos por não ser mais como eu quero ser. Ao tomar a diferença entre o que sou e o que quero ser, desenvolvo uma medida da minha autoestima. Exemplos:

  • Eu atuo de forma mais competente do que realmente sinto.
  • Eu não me sinto vivo o suficiente.
  • Eu evito que as pessoas vejam o quão significativo sou.

3. Escolha

Agora, uso o conceito de escolha, ou autorresponsabilidade, para dar o próximo passo. Em vez de simplesmente prometer “mudar” os itens que eu sinto são insatisfatórios, suponho que eu escolho ter essas deficiências porque recebo uma recompensa por isso. Para encontrar a recompensa, lembro-me de que este não é um exercício para me julgar como bom ou ruim. Devo me permitir ver-me sem julgamento, no espírito de exploração e compreensão. Depois de trazer meus ganhos para minha consciência, estou em posição de tomar uma decisão consciente sobre o que eu quero fazer. Para cada um dos itens mais insatisfatórios, escrevo minha recompensa por me sentir assim.

O pagamento deve ser positivo e não irrelevante. Tenho em mente que as recompensas são gratificantes o suficiente para evitar que eu me desenvolva.

Exemplo de uma recompensa: atuo de forma menos competente do que eu posso porque não quero que as pessoas fiquem decepcionadas comigo caso eu falhe.

4. Infância

A próxima abordagem para melhorar a autoestima é por meio da exploração das origens desses sentimentos insatisfatórios e opiniões sobre mim. Onde eu recebi minhas ideias sobre quem eu sou? Isso indica direções relevantes e potencialmente valiosas para aumentar minha autoestima. Todas essas abordagens são ainda mais valiosas se eu puder reunir outra pessoa, ou mesmo um grupo de amigos, que completará estes exercícios comigo e participará de uma discussão depois de termos terminado.

Parte I: Eu explico como meus sentimentos sobre mim mesmo podem ter começado em cada área de comportamento e de sentimentos. Uma das primeiras fontes de onde eu tirei uma fotografia de mim são inferências que depositei de meus pais. Atenção! Este não é um exercício de culpa dos pais. É uma tentativa de me entender melhor. Afinal de contas, eu sou quem escolhe tudo em minha vida.

Exemplos:

Como meus pais reagiram quando eu disse:

… Eu quero ser incluído? (Exemplos: “Posso ir com você? Posso me sentar à mesa com você? Posso entrar no seu quarto? Posso ir à loja com você? Posso visitar com você?”).

… Eu quero estar no controle? (Exemplos: “Eu quero fazer isso sozinho. Não vou fazer o que você disse. Eu quero fazer o meu caminho.”)

… Quero estar aberto a você e você está aberto comigo? (Exemplos: “Diga-me como você realmente se sente sobre mim. Diga-me seus sentimentos reais sobre outras pessoas, eventos, ou sobre vocês mesmos. Eu quero que você saiba como eu realmente me sinto, do que eu tenho medo, do que eu gosto em mim mesmo.”).

Parte II: Usar os resultados deste inquérito pode me ajudar a encontrar a origem das decisões feitas sobre mim que agora não me trazem satisfação. Para explorar onde as decisões determinaram a minha autoestima, eu pergunto a mim mesmo:

– Quando foi a primeira vez que me lembro de agir ou me sentir assim?

– Eu já agi dessa maneira em relação a meus pais ou a algum parente próximo?

– Qual é a minha recompensa agora por agir ou me sentir assim?

– Isto é o que eu realmente quero?

– O que estou disposto a fazer a respeito?

Existem técnicas para emergir conteúdos inconscientes ao consciente, as quais são dadas na Certificação em Relacionamentos Interpessoais Firo-B Online. Clique aqui e saiba todos os detalhes.

Tema: Firo-B™

Subtema: O autoconceito positivo a meu respeito aumenta a minha competência e a minha autoconsciência.

Objetivo: Autoconhecimento, Autodesenvolvimento, Relacionamento Interpessoal, Desenvolvimento de Equipe, Desenvolvimento de Liderança, Coaching nas Empresas.

Este conteúdo é de propriedade da Fellipelli Consultoria Organizacional. Sua reprodução; a criação e reprodução de obras derivadas – a transformação e a adequação da obra original a um novo contexto de uso; a distribuição de cópias ou gravações da obra, na íntegra ou derivada -, sendo sempre obrigatória a menção ao seu autor/criador original.

Reader Interactions

Comentários

  1. Fabiano Pereira diz

    É realmente muito interessante esta matéria, sem autoestima a pessoa praticamente não vive ela simplismente existe, e por isso é um assunto que precisa sim ser tratado póis há muitas informações não exploradas pela sociedade.
    Enfim todos que colaboraram com este conteúdo está de parabéns, pretendo voltar mais vezes aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.